Princípios de Psicologia no UX Design para influenciar a decisão de compra dos usuários

As ações das pessoas nem sempre são racionais, pois o cérebro humano possui diversos “atalhos programados” (heurísticas) para tomada de decisões. Conceitualmente, viés cognitivo é um padrão sistemático de desvio ou distorção na forma como interpretamos e tomamos decisões com base em informações. Ocorre devido a processos mentais automáticos e inconscientes, influenciando nossa maneira de pensar e agir. Dessa maneira, as empresas podem aproveitar os vieses cognitivos em suas estratégias de design e marketing para impactar, persuadir e convencer os […]

Continue lendo

3 teorias da Psicologia Cognitiva para melhorar projetos de UX Design

Há uma forte ligação entre Psicologia e UX Design (Design de Experiência do Usuário) — mesmo que poucos designers estudem sobre Psicologia Aplicada e Cognitiva. Afinal, um projeto de Experiência do Usuário (UX) requer, antes de tudo, entender os humanos, seus desejos, necessidades, expectativas e também prevê-las. Neste artigo, serão apresentadas 3 teorias da psicologia cognitiva que podem ajudar os designers de UX a gerenciar a experiência do usuário e criar produtos de forma a guiá-lo ao resultado que desejam. […]

Continue lendo

Psicologia das cores no UX Design: como as cores afetam a percepção e comportamento dos usuários

A cor é uma ferramenta imprescindível para todo designer. Estudos na área mostram que um usuário demora 90 segundos para formar uma opinião sobre um produto, sendo influenciado pelas cores em 90% das vezes. A cor está muito além de apenas uma questão de estética dos desings, desempenhando um papel fundamental no impacto emocional e cognitivo de produtos digitais sob percepção do usuário. Psicologia das Cores e Associações Cor-Emoção As cores são capazes de estimular emoções nos humanos. Tradicionalmente, algumas […]

Continue lendo

Como aplicar a Psicologia Cognitiva e Comportamental no UX Design

Como a área de UX (“User Experience”, “Experiência do Usuário”) abrange a interação do usuário com produtos, sistemas ou serviços, a psicologia pode ser uma disciplina importante para os designers, pois através dela, mesmo não possuindo a Psicologia em sua formação acadêmica, é possível compreender melhor o comportamento das pessoas. Há várias maneiras de envolver conceitos da Psicologia Cognitiva e Comportamental em projetos de UX Design. Este artigo abordará conceitos sobre o livro “Think like a UX Researcher” (“Pense como […]

Continue lendo

Por que comentamos, curtimos e compartilhamos nas redes sociais? Teoria das Janelas Quebras no UX Design

Tá vendo este balão? — Rian pergunta no vídeo e aponta para o balão de comentário do Instagram, TikTok ou Youtube. Coloquei dois comentários aqui dentro. E qual a relação desse balão de comentários com janelas quebradas de casas abandonadas?! A psicologia por trás do design do balão é a seguinte: a simples noção de que há comentários aqui, pode ativar a nossa necessidade de nos conectar com outros. Efeito de visibilidade social. A gente gosta de se aparecer pros […]

Continue lendo

Análise de UX: aplicativo da Netflix – Human Experience Design & Psicologia

Se você gosta de seriados como Stranger Things, deve usar bastante o aplicativo da Netflix. Desta vez, fiz uma breve análise da experiência e usabilidade, e encontrei 3 problemas de design no app da Netflix. “Problema 1: Nesse sistema de avaliação, não dá para saber o que as pessoas avaliaram. No passado, Netflix usou estrelinhas. Em lojas virtuais, 94% das vendas são de produtos com 5 ou 4 estrelas. Geram fenômenos comportamentais como efeito adesão e prova social. Produtos com […]

Continue lendo

Erros de UX Design: análise do site da Vibrio, sexy shop de Malu Perini e Dani Noce — Psicologia aplicada a UX

“Encontrei 3 problemas de design no site da Vibrio, sexy shop da Malu Perini, Dani Noce, e Raul Sena. Primeiro erro: entrei no site e cliquei em “Primeira Vez?”. Então, eu me deparei com esse produto diferente, um bastãozinho, mas não sei pra que serve. Um dos princípios do design é “affordance”, do psicológo James Gibson, depois usado por Donald Norman: um objeto bem projetado permite que o usuário saiba para que serve, de forma intuitiva e sem explicações. Eles […]

Continue lendo

Ilusão de Controle e ansiedade do usuário — Design Comportamental e Psicologia Aplicada

“Nós gostamos de pensar que temos o poder de decidir as coisas na nossa vida, que nós tomamos decisões puramente racionais baseadas em dados e lógica. Mas, se você acompanha meus vídeos, já sabe que nós não somos tão racionais assim. Existe uma coisa chamada “ilusão de controle”, que é a tendência das pessoas de superestimar a capacidade de controlar os eventos. Se pensarmos no design de aplicativos e sites, quando o usuário acredita que tem controle total, tem a […]

Continue lendo

Por que as pessoas têm dificuldade de escutar e como isso afeta UX Research (Pesquisa de UX)?

“Uma das maiores dificuldades do ser humano é ouvir. Pode parecer algo simples: você só precisa ficar quieto e tentar entender o que o outro está querendo dizer. Mas aí é que está a grande dificuldade: ouvir o outro. Mas, por que muitos têm dificuldade de ouvir? Vários motivos. A pessoa pode ser tão egoísta, tão egocêntrica, que está pouco se lixando para o que você tem a dizer. Ou, pode ser narcisista: tudo gira em torno dela. Ela é […]

Continue lendo

Bolsa de Valores e Human Experience Design – A evolução do Mercado de Capitais e Design de Interface

“O novo design e a bolsa de valores. Você sabe como investiam em ações há 20 anos atrás? Agora, qualquer pessoa pode abrir uma conta numa corretora e comprar ações da Oi ou IRB Brasil. Espero que não seja o seu caso. Tudo está muito fácil, né? Isso é por conta da evolução da tecnologia em si, mas muito se deve também à evolução do Design de Experiência. As home brokers eram complexas, com visual duro, gerava muita dúvida, e […]

Continue lendo

As cinco dimensões da curiosidade aplicadas no Design de Experiência

“No vídeo anterior eu falei do poder da curiosidade, mas na prática, como descobrir o quanto o usuário é curioso ou o que o faz ter curiosidade? Vamos falar das cinco dimensões da curiosidade. A primeira é a Exploração Prazerosa: em geral, temos o desejo de buscar novos conhecimentos. A segunda dimensão é Privação da Sensibilidade: quando tem algo que não sabemos, corremos atrás pra descobrir, e isso gera um alívio, porque você é futriqueira e quer saber das coisas.

Continue lendo

O poder da curiosidade no UX Design para melhorar os resultados do negócio

“Vem cá, deixa eu te mostrar. Achei uma coisa legal sobre psicologia pra te falar. Eu acho que a curiosidade é uma das nossas maiores motivações. Um bom trailer de filme pode gerar curiosidade para você querer assistir; Notificações, quando bem escritas, podem te levar a abrir o aplicativo; a capa de um livro, a vitrine de uma loja, a página inicial de um site. Quando alguém tem uma lacuna no conhecimento sobre um assunto de seu interesse, é provável […]

Continue lendo

Criando designs para usuários com ansiedade – Psicologia e Human Experience Design

“Deixa eu te falar uma coisa… ⌛ Já ficou ansioso, né? Só porque eu demorei um segundinho pra iniciar meu texto neste vídeo. Quando se trata de internet e uso de produtos, a maioria dos usuários são ansiosos e não querem perder tempo. Se um loading é demorado, ou se se o texto é muito longo, ou se a interface é difícil de usar, o usuário pode ficar ansioso e acabar desistindo de usá-lo. Imagina você mexendo em um aplicativo […]

Continue lendo

O poder psicológico do Storytelling para engajar e aumentar vendas

“Se você for no meu Instagram, vai ver que sou apaixonado por Jeep. Tem um comercial deles chamado “The middle”, que começa com uma capela no exato centro dos Estados Unidos. Fala sobre liberdade e medo. E o comercial nem mostra o Wrangler novo, mas o Willys de 1980. No final, termina com a frase “para os Estados Reunidos da America”, falando que o que nos conecta é a liberdade. Nem mostraram o carro. Contaram a história de um véi […]

Continue lendo

Como reter usuários com a Psicologia da Falácia dos Custos Irrecuperáveis e UX Design

“Você já foi num restaurante, pegou mais comida do que devia e depois ficou com pena de jogar fora e acabou comendo mesmo já estando empanzinado? Ou foi no cinema, pagou pelo ingresso, o filme era uma porcaria, e mesmo assim você ficou até o final. Esse fenômeno psicológico tem nome: Falácia dos Custos Irrecuperáveis. Significa que se as pessoinhas humanas já investiram muito tempo ou dinheiro em algo, estarão mais propensas a continuar investindo mais, tendo cada vez mais […]

Continue lendo

Como usar o Design para criar hábitos nos usuários com o Condicionamento Clássico de Pavlov

“Vem cá, olha isso, ó… (Rian mexe no pacote de torrada). Sempre quando mexo em algum pacote de pão ou biscoito, o Douguinho já me olha como se estivesse sem comer há dois dias. Algo parecido também acontece quando pego a chave… porque, você sabe, o Doguinho é bem saidinho e fica doido pra ir lá fora. Isso tem nome: Condicionamento Clássico de Pavlov. Em resumo, memória associativa. É um tipo de aprendizado automático e inconsciente. Ligar dois estímulos distintos […]

Continue lendo

Paradoxo Pepsi: como as lembranças, memória a longo prazo e emoções afetam a percepção e Experiência do Cliente (CX)

“Pensa numa Coca-Cola geladinha… delícia, né? É, mas e se eu te disser que você prefere Pepsi e talvez nem saiba disso?! É o que diz uma pesquisa. É, isso mesmo! Numa pesquisa, fizeram o experimento com pessoas que há tempos não bebiam refrigerante. Provaram os dois refrigerantes. Quando estavam com olhos vendados, disseram que Pepsi era mais gostosa, mas quando estavam de olhos abertos, escolhiam Coca.

Continue lendo

Faça o usuário comprar mais com o efeito psicológico Cashless (Sem-Dinheiro) e melhore a UX

“Você costuma usar cartão de crédito ou dinheiro vivo? Você sabia que quanto menos a gente vê o dinheiro físico, mais tendemos a gastar? Existe um viés cognitivo – um fenômeno que acontece na nossa ‘cachola’ – chamado de efeito Cashless (efeito Sem-Dinheiro, em português). Quando tiramos o “dinheiro vivo” da nossa carteira para pagar algo, tendemos a sentir certo desconforto, chamado de ‘efeito da dor de pagamento’. Em geral, temos dificuldade em nos desprender das nossas coisas.

Continue lendo

Cegueiras psicológicas que afetam a Experiência do Usuário

“Olha que curioso. Hoje, vi um pássaro na sacada da minha casa. Ele tava cantando ali fora e, do nada, deu um rasante na porta de vidro… “ô, doido, a saída é pra lá, rapaz. Vai!” Ele bateu no vidro porque pensou que o reflexo era a própria natureza. E isso já aconteceu comigo também. Na verdade, duas vezes comigo, com a Gisele e com o Douguinho. Simplesmente, passei reto no vidro, mesmo tendo um puxador flutuante no meio do […]

Continue lendo

Tarefas repetitivas e a Experiência do Usuário

“Você já precisou fazer alguma tarefa repetitiva e desejou encontrou uma forma de agilizar tudo? Sei lá… etiquetar vários produtos para enviar pelo correio. Ou enviar uma mensagem de natal para cada um dos clientes. Ou até agendar o pagamento de dezenas de boletos de uma só vez. Ninguém gosta de fazer tarefa repetitiva.

Continue lendo

Consistência, atrito cognitivo e o adoçante fora do lugar – Psicologia aplicada ao UX Design

“Eu sempre bebo café com adoçante. E minha mulher também. E aí surge um desafio diário: encontrar o adoçante. Hoje, fui fazer café bem cedinho, como de costume. E fui usar o adoçan… ué, cadê o adoçante?! Ah, tá aqui. Não, não tá aqui. Ah, deve tá ali. Ah não, não tá ali. Aqui? Talvez aqui? Ali? Lá?! Ah, tá aqui, lógico!

Continue lendo

Cegueira por Desatenção: Faça o usuário pensar às vezes – Psicologia aplicada ao UX Design

“Hoje eu fiz uma compra no Mercado Livre e, por descuido, coloquei o endereço errado, de um dos meus funcionários, porque estava salvo na minha conta. Por sorte, reparei na hora e consegui fazer o cancelamento e estorno do valor quase que de imediato. Mas, isso aconteceu por falha minha ou por falha do design do site? Ambos. Não tive tanta atenção mas o Mercado Livre também não me avisou com ênfase.

Continue lendo

Metaverso e a Experiência do Usuário – Psicologia da comunicação e Design

“E o metaverso? Bill Gates disse que em três anos, todas as reuniões de negócio seriam no metaverso. Sabe? Aquela realidade virtual maquiada que a antiga empresa Facebook diz ser algo revolucionário. Mas, será? Ao meu ver, nada mais é do que um tipo de realidade virtual desenvolvida de forma a nos permitir ver outras pessoas num mesmo ambiente virtual.

Continue lendo

Chuva, cores, Psicologia e UX Design – Psicologia das cores

“Qual é a importância das cores no design de um produto? Pense nas cores como a chuva. Ela traz um frescor ao clima. Molha nossas plantações. Traz vida ao lugar em que ela chega. Pode transformar a seca em um lugar produtivo, fértil. Por outro lado, chuva em excesso pode ter efeito reverso. No jardim, as plantas perdem nutrientes e a raiz apodrece. O trânsito fica caótico. Acontecem enchentes, principalmente em locais que não estejam preparados para receber tanta água. […]

Continue lendo

Como influenciar usuários a impulsionar seu negócio? Efeito Benjamim Franklin

“Ouve isso: ‘Aquele que uma vez te fez uma bondade estará mais disposto a fazer outra do que aquele a quem você mesmo agradou’. Efeito Benjamim Franklin. Pesquisas mostram que tendemos a gostar de pessoas pelas quais fizemos favores. Podemos influenciá-las assim. Na prática, primeiro, você pede um favorzinho a alguém que não é seu amigo. Aí, inconscientemente, o cérebro dela procura por alguma explicação lógica de porquê ela fez aquele favor. No final, a mente dela acaba se convencendo […]

Continue lendo

A beleza do produto importa? Efeito Usabilidade-Estética

“O produto da sua startup é bonito? Digo, as interfaces do seu aplicativo, site, ou seja lá qual for o seu produto, elas são atraentes? Quando a pessoa começa a usar seu produto, ela diz: “uau!”? Claro, a beleza é a camada mais superficial. Entre um feio que funciona e um bonito que não, provavelmente, o feio vai perpetuar mais no mercado. Mas, quando a gente tem dois que funcionam, sendo um atraente e outro sem boa estética, é provável […]

Continue lendo